domingo, 29 de janeiro de 2012

17 meses

"Oi minha gatinha!
Nossa, como custaram a chegar os seus 17 meses!! Já não aguentava mais falar que você tinha 1 ano e 4 meses! Mas, por outro lado, olhando para trás, vejo que passou muito rápido, e que a minha bebezinha já tem 1 ano e 5 meses!
Uma idade difícil, confesso!

Você não para quieta um só minuto! Gosta de abrir portas, armários, e tampas. Quaisquer tampas! Ah, pelo menos fecha também. Além disso, também sobe em sofás, cadeiras, e também em mesas mais baixas. Ainda bem que a primeira coisa que te ensinei foi a descer. Evita quedas.
Mas, filha, por falar em quedas, como você está caindo! E bate sempre a cabeça. Seja no chão, na parede, em quinas e portas! Eu, claro, sinto uma fincadinha no peito a cada galo e arranhão. Mas, sei também, que não devo me culpar, afinal, criança é assim mesmo. Se machuca, e vai aprendendo com isso. Melhor eu deixar você ser livre para viver e descobrir a vida, do que enclausurá-la com medo de um tombo ou outro.
Porém, para tudo tem um lado bom, ou, no caso de crianças, um lado engraçado. Sim, porque quando você cai ou esbarra em algum lugar (e não se machuca muito), vem toda manhosa falando assim: "xucôôô" e mostra onde 'machucou' pra ganhar beijinho!!! Depois do beijinho, volta toda serelepe para brincar mais!

Além disso, anda bastante bravinha. Entende quando a gente chama atenção, e vez ou outra extravasa puxando meu cabelo, ou apertando meu rosto. Até bater, você bate. Mas a mamãe conversa muito com você, e esses dias você tem parado. Pelo menos, depois desses pequenos ataques, eu falo pra você que fez feio, e que machucou a mamãe. Você faz carinha de arrependimento, dá abraço e beijinho na mamãe! E ai, pronto! Fazemos as pazes e ficamos bem de novo. Fofa que só vendo!

Esse mês, assim como o anterior, passamos muito tempo juntinhas. Você conheceu vários lugares, e se divertiu bastante. Está bem faladeira, e a cada dia aprende uma palavra nova! Além de ser uma perfeita palhacinha. Isso mesmo, gosta de fazer gracinha pra quem estiver perto rir. Faz uma cara super sapeca e sai por ai, mostrando o que aprendeu e distribuindo sorrisos por onde passa!

Mais uma vez, eu preciso dizer que amei estar com você 24h por dia!!! Estava fazendo uma falta danada pra Mamãe poder ser uma expert em você!
Parabéns, filha, por mais um mês! E que os outros meses passem tão devagar quanto esse, porque eu sei que no fundo, eles passam é assim, num piscar de olhos!

Amo você!
Ass: Mamãe."

sábado, 28 de janeiro de 2012

A praia - Considerações finais

Essa foi uma viagem planejada de última hora, com o único intuito da Lara conhecer a praia.
E, com isso, o que eu aprendi foi:
Praia nunca mais será a mesma com filhos; Sim, porque eu costumava passar protetor, colocar uma saída, estender a canga e ficar o tempo inteiro deitada, tomando água de coco, petiscando e lendo! Vez ou outra jogava uma partida de buraco, ou coisa do tipo. Assim como às vezes rolava uma caminhada básica. 
Claro que essas coisas não ficarão para sempre só na memória, mas que vai demorar uns bons anos para eu poder fazer pelo menos metade dessas coisas, ah, isso vai!

Dando abraço apertado na Mamãe!

Foi uma primeira experiência muito gostosa. A única coisa um pouco chata foi ter ficado no quarto só eu e ela. Espero que da próxima vez tenhamos companhia de quarto também. (Papai não foi dessa vez porque estava trabalhando). Ah, e claro, que da próxima vez também fiquemos num hotel mais preparado para crianças!

Mas, um dos maiores proveitos dessa viagem, foi o que aprendi e colocarei em prática na próxima vez!

E que venha a segunda vez na praia! =D

O avião e o aeroporto - A volta

Dia de voltar. Outra maratona me espera!
Dessa vez a conexão é no Rio de Janeiro (é a hora em que todos lamentam a falta da câmera) – que continua lindo!!! Lindo, lindo!
No aeroporto de Ilhéus mesmo eu remarquei minhas poltronas para a primeira fileira (no primeiro, e segundo vôo).

Rodamos uns minutinhos no aeroporto, comprei uma camisa de recordação para ela, e outra igualzinha para o papai, e lá fomos nós para a sala de embarque.

Imagem daqui
Nem preciso dizer que ela estava super agitada, mas o bom é que de início a sala estava vazia. Deixei ela lá, jogando a bonequinha de um lado para o outro, e indo buscar. Contando que não jogasse em alguém, estava tudo bem.
O avião atrasou um pouquinho (o que, na verdade, não faria muita diferença para nós, porque esperaríamos as mesmas 2:43 – teoricamente - no aeroporto do Rio mesmo), mas pouco mais de meio dia, embarcávamos.
Já tinha trocado a fralda (problemas a vista: diarréia), corrido da mamãe, tomado mamadeira, e fez uma pequena birra porque eu guardei a bonequinha. Vi que era o sono chegando. Oba!
Dentro do avião folheamos revistas, mas ela ficou super inquieta, já que queria, porque queria, uma boneca que estava dentro de uma sacola na poltrona ao lado. Mas, assim que o avião decolou, adivinhem só: dormiu! Isso, isso, isso! Dormiu toda a viagem, e, com isso, consegui ler mais umas 40 ou 50 páginas do primeiro livro do pai da Lucia. Sabem quem é né? Ele mesmo o Renato! “Diário de um grávido”: Muito bom, recomendo! Ta, toda não, porque no finalzinho ela acordou. Quis a boneca novamente, mas então, de novo, e mais uma vez, folheamos a revista da TAM para crianças.

No aeroporto, gigante, diga-se de passagem, eu imaginei o que me esperaria, afinal, como o soninho de quase duas horas, ela estava renovada. Fui andando BEEEEM devagar, e como andamos! Chegando lá em cima, nas salas de embarque, dei a mamadeira, que ela preferiu ir tomando às bicadas (eram muitos estímulos, pessoas, lojas, e coisas para ela explorar e descobrir).
Fui para o portão onde embarcaríamos, e, com 4 ou 5 pessoas, lá ficamos. Entreguei seus potinhos e ela ficou jogando-os de um lado para o outro (a Lara tem que parar com essa mania de jogar as coisas! É chato, e incomoda. Dicas??)
Andamos de um lado para o outro, encontramos alguns bebês de sua idade, trocou a fralda umas 4 vezes (sendo que a última foi no banco do portão da sala de embarque mesmo, porque os passageiros do nosso vôo já estavam entrando), fomos de uma ponta a outra do embarque incontáveis vezes. O bom é que ela se cansou de novo, mas não tanto quanto eu.
Ah, eu cansei... e como cansei!
E só de pensar que ainda teria oooooutro vôo!
Mas, dessa vez, deixei para entrarmos por último. Quanto menos tempo no avião, melhor! Seria um vôo mais curto, mas ele se atrasou pouco mais de meia hora (o que é, praticamente o tempo de vôo), e eu já não acreditava que era pra eu estar em casa em poucos minutos, e ainda estava decolando do Rio. Pelo menos a Lara ficou tranqüila. É, porque quietinha não é a palavra. Ao nosso lado tinha um senhor, e a Lara cismou de que era ele quem tinha que (sim, mais uma vez) folhear a revista para ela. E entregava o Dumbo para ele de 5 em 5 minutos. Fiquei super sem graça, afinal, ele não tinha muito jeito de quem estava adorando (mas também não tinha jeito de que estava detestando). Chamei sua atenção para outras coisas. Brincou com a revista, com o Dumbo, com minha aliança (que quase sumiu), com as balas... e devido à turbulência o nosso lanche foi cancelado (o que seria outra distração). Mas foi rápido, bem rápido! Às 18:05, pousávamos em casa!

Que sensação deliciosa!

Próxima viagem de avião, sem conexões de 3 horas de intervalo entre os vôos, por favor. Meia (ou talvez uma) hora é o meu limite!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Itacaré - Praia da Ribeira

Há uns dois anos minha mãe viajou a Itacaré com meu irmão mais velho, Marcelo. Eles gostaram muito e voltaram de lá falando que era um lugar maravilhoso e que queriam voltar o quanto antes.

Mas, o que Itacaré tem a ver com Ilhéus?
Tem que Itacaré está a 60km de Ilhéus, e como minha mãe gostou tanto, estava ai uma ótima oportunidade para euzinha aqui (e, claro, a Lara) conhecer essa maravilha (e bota maravilha nisso).

Pelo que minha mãe falou, a maioria das praias por lá são pagas (cidade turística de gringo é assim baby). Sendo assim, fomos em uma gratuita.
A praia da Ribeira.
O sol estava rachando e a primeira coisa a fazer foi passar o protetor na minha branquelinha (que nessa altura do campeonato já não brilhava tanto no sol).


Essa praia é um máximo, cheia de atrações. Tem até uma tirolesa que passa por cima do mar! A Lara ficava dando seus gritinhos quando via as pessoas descendo;
Vários quiosques bacanas na praia;
Ducha (importante!);
Água clara, numa temperatura excelente e ideal para o calor, e com uma leveza de outro mundo. Dá vontade de não sair de lá jamais!

Adentrando um pouco essa mata, numa caminhada de mais ou menos meia hora, chega numa outra praia, segundo meu irmão, lindíssima! E tem cachoeiras por ai também.
Mas essa é uma aventura que ficará para a próxima, porque caminharmos com 3 crianças, não dá, néam!
Mamãe, Lara, Tio Bibi e Tio Dudu
E essa água doce, assim como na praia do Cururupe encontra o mar, e ai tem uma lagoazinha que a Lara ficou brincando por muito tempo! Mais uma vez, a lagoa foi a preferida das crianças.

Blusa esquecida na praia. Snif.
Taí a única reclamação que tenho dessa praia. A areia é daquelas escuras, brilhantes, que grudam e haja sabonete e água corrente para limpar! Mas a Lara nem ligou, afinal, areia é areia, e dá pra ficar neném à milanesa de qualquer jeito.

E tem lugar mais lindo que praia e mata tudo assim, junto e misturado?

Pra despedir da praia, pedimos, mais uma vez, peixe. Dessa vez frito. Delícia! Comemos a vontade, e a Lara fez festa com a farofa de novo.
Comendo a cabeça do peixe.
 E ai a gente já não sabe mais o que é farofa e o que é areia!

E aí, depois de 3 dias de praia, como estava a relação Lara/mar?


É.... pelo menos não chorou quando a onda chegou, néam!?
Com alguém dando a mão, agora ela já puxava pra gente ir pro mar com ela! Mas ainda assim, ficava agarradinha no pescoço. E eu não vou mentir: adoroo! hehehe

Fomos embora com um super gostinho de quero mais!!!!

Preciso dizer: é mesmo uma maravilha! Mil vezes recomendo!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O centro de Ilhéus

Saindo da praia dos Milionários, fomos almoçar no centro de Ilhéus para conhecer a cidade.
Confesso que, quanto á cidade em si, eu não reparei muito porque fui andando com a Lara dormindo no meu ombro. Logo minha visão e meus movimentos ficaram um tanto quanto limitados. 
Mas, pelo que percebi, é uma cidade praiana como outra qualquer. Não sei explicar ao certo.
Transito bem movimentado, centro comercial com ruas abarrotadas de lojas, quarteirões "fechados" com várias lojas, lanchonetes, bares, restaurantes, etc, etc, etc.
E, foi em um desses "quarteirões" que, depois de rodar um pouquinho, achamos um lugar. 
Só de ter cadeira alta para bebê já gostei. Todos mortos de fome, tratamos logo de pedir a comida. Foram 3 pratos. Bobó de camarão (que eu não posso por causa da alergia),  picanha na chapa e frango à parmegiana. Posso falar??? Delicioso!!! Tudo muito gostoso, fomos bem atendidos, e, pasmem: a conta nesse restaurante ficou exatamente igual à do peixe na brasa da praia Cururupe, acreditam????
Além de tudo, o preço é bom! 
Recomendo de mais!!!

A Lara nesse dia comeu bem, e fez a maioooor bagunça.

Porque deve ter formiga no assento, só pode!
Saca só ela saboreando uma farofa! morri!

Nesse miolo, tem algumas construções históricas bonitas. O tipo de coisa que eu gostaria de conhecer melhor, mas como o tempo de viagem era pouco, e eu fui estritamente com o intuito da Lara conhecer a praia, não foi dessa vez!





Pensando melhor aqui, a respeito da cidade, eu acabei indo para lá com o pé atrás, porque tive informações de que a cidade era sem graça, horrorosa, e que não tinha nada para fazer.
Tenho que discordar da pessoa. Deve ter muito tempo que ela foi à Ilhéus, e ainda tem essa ideia da cidade.
A cidade não é feia, pelo contrário, e tem um desenvolvimento bacana.

Esse foi o único dia que fomos até a cidade e paramos o carro por lá. Nos outros dias foi só caminho para o aeroporto, parada na farmácia para comprar Sustagen e passada pela cidade para ir à Itacaré.

Peraí? Itacaré?? Isso mesmo.... cenas do próximo capítulo post.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Praia dos Milionários

É a Praia vizinha à Cururupe (em direção ao centro de Ilhéus).
Por indicação, ficamos na "Cabana do Palmito".


Esse eu gostei. Tem mesa coberta com o chão de cimento e de areia; e na areia com sombreira. Bom atendimento, atenção e uma estrutura interessante para crianças. Tem ducha, banheiro, e, pasmem, fraldário!
Nunca tinha visto fraldário em praia antes! Achei o máximo!!!
A comida é boa, o coco é gelado e cheio... e a música (ao vivo) é muito boa!
Gostei, e recomendo!

Pausa:
O olhinho da Lara ficou super vermelho no final do dia anterior, e continuou vermelho pela manhã. Compramos soro fisiológico e lavei ao longo do dia. Acho que foi a areia, e a água salgada. Vai ai a dica: levar soro fisiológico ou até mesmo água boricada para dar uma limpada nos olhos das crias. 
Despausa.

E, mais uma vez, a Lara comeu batata, bebeu suco de laranja, brincou na areia, dormiu na canga, mamou, apontou para os músicos e ficou falando "papai" (acho que por causa do violão, que o pai toca para ela), nadou agarradinha no pescoço e se divertiu, muito!
Nesse segundo dia a Lara já estava um pouco mais acostumada com o mar, mas, ainda assim, nada de ir sozinha nas ondinhas.
Será que vai?
Na-não!



Ficamos um tempão brincando na areia pertinho do mar e a Lara fez outra amiguinha - Júlia.
Super engraçado era que a água vinha, e ai ela sentava ou no meu colo, ou dentro da poça que cavamos!

A amiguinha Júlia
Delícia (assim você me mata)
O primeiro castelo (destruído)
No colinho, fugindo da onda
Fomos até o centro da cidade para almoçar/jantar, e também, claro, conhecer um pouco da cidade. O restaurante que almoçamos que será um post à parte!

No saldo até então, esse dia foi melhor que o anterior! Aproveitamos mais, e foi um dia bem agitado!
Eu mal sabia o que me esperava no quarto e último dia de praia.

=D

domingo, 22 de janeiro de 2012

Praia Cururupe

Essa é a praia que fica em frente (ou nos fundos) à pousada.
Ali mesmo não tem barracas, mas é só andar um pouquinho que chega numa área com os quiosques.
Logo cedo, no dia 04, descemos para o tão esperado encontro da Lara com o mar.
Digamos que foi assim, surpreendente, porque viciada em água do jeito que é, achei que não fosse querer sair do mar. Mas... não foi bem assim:



É. Ela ficou com medo! Medo da onda que vinha, e voltava, e que fazia a areia em baixo de seus pezinhos se moverem. Trocamos a roupa para maiô, passamos o protetor e fomos tentar mais uma vez.



Já na areia, que eu esperava um certo incômodo da parte dela, ficou assim ó:
Na areia seca. 
Brincando sutilmente
Mais familiarizada
Cadê a mãe dessa criança?

Nós ficamos no primeiro quiosque (esqueci o nome - mybad), bem pertinho do mar, e também do rio que lá desaguava.
O mar dessa praia não tem ondas grandes, mas estava bastante agitado e puxando forte (acho que por causa do tempo e vento).
O bom, para as crianças, é o rio que deságua no mar. Pelo menos foi lá que a Lara e as outras crianças passaram a maior parte do tempo!
Comida boa, música agradável. Aprovada.

De lá, fomos almoçar num quiosque vizinho (que eu também não me lembro o nome) que fazia uma propaganda e tanto de um peixe na brasa. Nada maravilhosamente divino, mas, sim, gostoso! (acho que é porque sou mais chegada em peixe frito). 
A Lara andou, correu, subiu escadas, brincou, fez xixi (estava sem fralda) umas 3 vezes - apontava e falava "ti-ti" (sualinda), fez uma amiguinha (claro, não podia faltar), comeu arroz, peixe e farofa (sua mais nova paixão - a farofa), bebeu suco, experimentou (e não gostou) água de coco, fez bagunça... e aproveitou! Muito!
Deixa eu mostrar para vocês entenderem melhor:
Uma de suas maiores diversões era passar o protetor. Oi?
Enterrando o Tio Dudu com o primo Marcos

    
Enterrar a perna estava super divertido (nem conto que depois ela colocou a mão cheia de areia no olho)
Sualinda!
Água + sol, a fórmula do sono
Dormindo em 3 passos
Tem sono mais gostoso que ao som do mar?
Picolé de limão. Ama!
A amiguinha, Clara.
Os passinhos da minha princesa!
Nem preciso dizer que apagou depois de um banho quentinho (onde eu finalmente me senti bem por tê-la limpado. Sim, tenho muito nervo de areia e melado de sal do mar), né?
Recarregou a bateria para o dia seguinte.




sábado, 21 de janeiro de 2012

O Hotel - Ilhéus

Desde que a Lara nasceu, praticamente, que eu queria levá-la à praia!
Mas só agora, nessas férias de verão, que surgiram oportunidades. Resolvi ir logo, antes que eu tivesse que esperar por férias novamente. 
Meus pais e meus irmãozinhos, a caminho de Guarajuba, iam passam em Ilhéus. 
Uma estadia rápida; 4 dias.
Por mim, ficaria um pouco mais na praia, mas teria compromissos aqui em BH. Então, me contentei com os 4 dias, e me encontrei com eles lá, já que eles foram de carro, e nós, de avião.
Além dos meus pais e irmãozinhos, um tio, com a esposa e o filho (eles ainda não conheciam a Lara) nos encontraram lá também. Ótimo!
Gosto é de muita gente!
Vovô Raimundo, Titio Bibi, Vovó Letícia, Titio Dudu, Tio-avô Claudinho, primo Marcos, Tia-avó Laninha
Ficamos na Pousada Morro dos Navegantes, que é também um restaurante e pizzaria - mas a pizzaria está desativada por enquanto. Já o restaurante bomba, principalmente à noite.
Lá é bem bonito, fica na estrada entre Ilhéus e Olivença, pertinho das melhores praias da cidade.
Mas, assim, senti um pouco de descaso (dos donos) com a pousada, que poderia estar muito melhor. O lugar tem uma estrutura linda, mas não está sendo bem cuidado/conservado. (minha opinião, né! Claro)
Além disso, notei também que é um hotel mais voltado para casais. Com vistas lindas e ambientes românticos. Bem aconchegante. Muitas sacadas, com pouca nenhuma segurança para crianças/bebês, diga-se de passagem.
O pessoal que trabalha lá é bem atencioso e simpático. No que precisamos, obtivemos ajuda. O que é ótimo, néam! 
Nadando com a Vovó Letícia, primo Marcos e Tio Bibi
Resumindo, aconselho para casais, ou para crianças maiorzinhas, com uns 6 anos. Mais novos que isso, melhor procurar um hotel com parquinho, cadeirinha infantil (para o café da manhã), ou, pelo menos, cercas seguras nas sacadas.
Ainda bem que éramos muitos (para ficar de olho), e o tempo que ficávamos no hotel, a Lara ficava no quarto, dormindo.



Lara e titio Bibi
Chegamos em Ilhéus era mais ou menos 12h, mas, com o cansaço de ter virado a noite, e também da viagem, juntando com o fato de eu ter chegado antes dos meus pais (que traziam minha mala e da Lara no carro) e dos meus tios, deitei no quarto e dormimos, nós duas, a tarde toda! Logo, não fomos à praia nesse dia. Até porque o tempo não estava ajudando muito.

Mas, isso não significa que a Lara não tenha visto o mar pela primeira vez. E então, ela viu o mar.
E ficou lá, olhando, tentando entender o que era essa imensidão!


Ficamos no hotel à noite, jantamos e nos preparamos para o que nos esperava nos dias seguintes!











Dias de muita bagunça, cansaço e diversão!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O avião e o aeroporto - A ida

No plural.

Sim, porque nessa primeira viagem à praia, foi também a primera, segunda, terceira e quarta viagem de avião da Lara.
Dois pra ir, dois pra voltar.

O primeiro vôo saiu de BH às 06h da manhã do dia 03 de janeiro, logo, tivemos que madrugar para chegar no aeroporto uma hora antes. Chegando lá, fizemos o check-in, e fomos bem devagar, nos encaminhando para o embarque. 
Ela adorou aquele aeroporto gigante "só pra ela". Corria de um lado pro outro, e nada de querer colo!
Não demorou muito (porque, na verdade, não chegamos com uma hora de antecedência) e entramos no avião. 
Mostrando a chuva
Prioridade (crianças no colo), entramos primeiro. Fui para o assento 9A, e depois descobri que estava era no 1F (Melhor troca, impossível). 9A era o do vôo seguinte.
E ai vai uma dica: Crianças no avião?? Faça o possível para ficar na primeira fileira. É mais espaçoso e dá pra criança até dar "uns rolé" na frente das poltronas. Sem falar na hora de descer!

Dentro do avião, foi até tranquilo (perto do que me esperava dentro de menos de uma hora). Folheamos aquelas revistas de vôo incontáveis vezes; Ela ficou olhando pela janela, mas com um ar de quem não tava entendendo, mas estava gostando. Ficou no colo sem reclamar, para o meu bem (e de todo o avião). No final, dormiu antes mesmo de pousarmos.
Comendo wafer de morango pela primeira vez. Adorou.
Desculpem a cara de poucos amigos (não tinha dormido essa noite)
Ela também adorou Polenghi 
Só curtindo a paisagem
Chegamos em São Paulo por volta de 07:30, como previsto. Nada de pressa, afinal, seriam 2h43min de intervalo entre os vôos. Chegamos na sala de embarque... e ai sim, começou tudo:
Corre pra lá, cai pra cá, "ei", "oi", beijinho e "tchau" para todos os lados, e todas as pessoas.
Achamos uma coleguinha que ficou LOUCA com a Lara, e queria ficar atrás dela o tempo inteiro. Essa andança sem rumo esquina com lugar nenhum deve ter levado metade do tempo de espera. Cansada, a mãe levou a filha para algum canto.. mas minha aventura ainda tinha muito pela frente.
Nessa altura do campeonato, já tinha trocado fralda e feito uma mamadeira (devorada em poucos minutos).
O próximo passo foi dar uma voltinha na livraria. Ela tirou todos os exemplares de um livro com cachorro na capa, além de folhear vários daqueles infantis. Cansou rápido, e eu não sabia se era melhor ficar com ela lá, ou correndo. Decidi pela segunda opção, afinal, a sala já estava mais vazia (ou menos cheia), e a área reservada para as prioridades, praticamente livre. Sem falar que um outro vôo nos esperava, e era melhor ela cansar bastante para ficar quietinha no avião. (outra dica, eu acho)
Oi? Cadê a mãe dessa criança?


Finalmente me sentei... UFA! Ela continuava correndo, folheando revistas, dando "ei' para as pessoas, e aquele nuance de menina levada estampada na cara. Com certeza ela estava se divertindo!
Então que mudaram o nosso portão de embarque. Chegando lá, estava realmente vazio, e foi mais correria e bagunça. Mais fralda trocada e outra mamadeira.
O sono se aproximava. O dela, porque o meu, quase se apoderou de mim, não fosse esse furacão tuquinho.


Não demorou muito, estávamos no segundo vôo. Dessa vez, 9A!
Torci muito pra primeira fileira estar livre, mas não foi dessa vez. Vôo praticamente lotado. 1h50min apertadinha.
PAUSA e com uma senhora com cara de poucos ou nenhum amigos e que pouco se importava que eu estava com uma bebê incontrolavelmente sonolenta. Uma verdadeira dondoca, diga-se de passagem. Olhava por cima, sobrancelha levantada, e não soltou um mísero sorriso para minha pequena. O que, perceptivelmente, a frustrou. Chamava "EEEEI", "OOOI", ameaçava cutucar a senhora (que olhava de lado). Deitava a cabeça no meu peito, com carinha do Gato de Botas, esperando alguma reação da senhora. Nada. Pelo menos no final, quando já tinha pousado, ela olhou e fez um esboço de sorriso. Era melhor ter continuado ignorando. Talvez foi esse o pesadelo que ela teve à noite.DESPAUSA
Ela dormiu metade da viagem, virando de um lado para o outro, até que na hora do lanche, aquele barulho infernal de plástico (péssima ideia da TAM, fikadika) acordou, primeiro a mim, e depois a Lara. Ela, claramente, ainda estava com sono, mas acostumada a dormir deitada em cama, sofás e afins, deitar no colo, apertadinha e cansada, ela ficou acordada mesmo. Nem preciso dizer que a outra metade foi bem cansativa. Não sei se por causa da maratona antes, ou pela viagem apertadinha em si, ou os dois. Sorte que na cadeira de trás tinha uma menininha muito simpática, louca para brincar com a Lara, e assim foram brincando por um tempo.
No pouso ela chorou. Nem desesperei, afinal, aquela pressão no ouvido na hora da descida é mesmo tensa. Dá-lhe bico. Mas, claro, a pressão foi só mais um agravante para o choro.

Chegamos no aeroporto de Ilhéus, e eu não via a hora de chegar no hotel... e desmaiar dar um cochilo!

A tal da paisagem!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...